quarta-feira, 4 de março de 2009

Eu quero!


Tive que ler alguns capítulos desse livro na faculdade, pra fazer um trabalho. Não resisti e acabei lendo o livro todo.
Jornalistas e Revolucionários no tempo da imprensa alternativa, do Bernardo Kuscinski, traça toda a trajetória da imprensa brasileira durante os anos de chumbo (recentemente chamado de "ditabranda" pela Folha de São Paulo. Se você não soube, vale pesquisar sobre esse verdadeiro absurdo cometido pelo jornal e que vem sendo repercutido) em que o Brasil viveu.
O Pasquim, Bondinho, Sol, a inesquecível Realidade (eu tenho um exemplar originalíssimo dela. E!) e tantos outros veículos que surgiram e morreram durante a ditadura são devidamente valorizados e explicados pelo autor como uma ferramenta de expressão - coisa rara na época - e que sofreu as devidas consequencias por teimar em existir.
Dá pra concluir que a imprensa alternativa surge em decorrência de um contexto peculiar e morre quando esse contexto acaba.
Assim foi com todos esses veículos. Eles simplesmente não sobreviveram, seja à ditadura, seja à pós-ditadura.
Uma verdadeira aula de história e da imprensa naquela época.
Além do que, o autor não é qualquer um, certo?

Eu li o livro da biblioteca da PUC, mas to louca pra ter um em casa. É o tipo de livro que a gente usa pra consultar de vez em quando.
Nas livrarias não é muito barato, mas por ser um livro antigo já, deve ter em algum sebo. Só não descobri qual ainda. Quem souber, pode me falar!

Nenhum comentário: